Ar Comprimido

Adequação de sistemas de ar comprimido ao HACCP em indústrias de alimentos e bebidas.

À medida que a indústria de alimentos e bebidas continua a evoluir com níveis de exigência de qualidade e regulamentações governamentais crescentes, a demanda por ar comprimido livre de contaminações segue o ritmo.

Os sistemas de ar comprimido são dinâmicos e a alimentação do compressor está sujeita a diversos tipos de contaminações: microbianas, particuladas e de umidade. De fato, o ar comprimido a 100 psig pode conter 8 vezes a quantidade de bactérias encontradas no ar atmosférico.

Os pontos de contato do ar comprimido com os alimentos incluem ensacamento, pulverização / mistura, secagem, facas de ar ou sopradores e mecanismos pneumáticos. Os reservatórios de ar, as tubulações, as conexões e válvulas são locais comuns para o crescimento microbiano devido ao ambiente quente e rico em oxigênio. Além do risco de contaminações patogênicas ou alergênicas, leveduras e esporos de mofo podem impactar o processo.

Neste sentido, muitos procedimentos foram desenvolvidos pela indústria para mitigar o risco de contaminação. Dentre estes, os princípios do HACCP (Hazard Analysis and Critical Control Point, em português Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle) foram universalmente aceitos pelas agências governamentais, associações comerciais e indústria alimentar em todo o mundo.

A abordagem sistemática do HACCP para a identificação, avaliação e controle de riscos de segurança alimentar tem base nos seguintes sete princípios:

  1. Realizar uma análise de risco.
  2. Determinar os pontos críticos de controle.
  3. Estabelecer limites críticos.
  4. Estabelecer procedimentos de monitoramento.
  5. Estabelecer ações corretivas.
  6. Estabelecer os procedimentos de verificação.
  7. Estabelecer procedimentos de manutenção de registros e documentação.

Para a adequação da qualidade do ar comprimido ao HACCP, os seguintes procedimentos devem ser observados:

  1. Retire a maior quantidade possível de umidade do ar comprimido antes de distribuí-lo em toda a planta. Um ponto de orvalho de -40 ° C é ideal.
  2. Use filtragem de ar estéril no ponto de uso onde o ar comprimido entrará em contato diretamente ou indiretamente com alimentos.
  3. Certifique-se de que o estágio final na filtragem de ponto de uso tenha uma classificação de eficiência de remoção de partículas de 0,01 mícron igual ou superior a 99,999%.
  4. Utilize sempre compressores de ar certificados de acordo com a norma ISO 8573-1 Classe Zero.

Um cuidado especial que se deve tomar na escolha do tipo de compressor, é que só existem realmente duas categorias quando o assunto é contaminação por óleo: tecnologia isenta de óleo ou tecnologia lubrificada com óleo. Não há meio termo. Alguns compressores são denominados “tecnicamente sem óleo”, mas isso é apenas marketing. Se o compressor não é 100% isento e certificado, existe risco de contaminação. Para garantir os padrões de pureza é importante estar atento para a certificação ISO 8573-1 Classe Zero.

Todos esses cuidados valem tanto para equipamentos próprios, quanto equipamentos locados. É muito comum a utilização de soluções temporárias de ar comprimido em fases de manutenção ou start up. E quando isso é necessário, o cuidado precisa ser redobrado, exigindo empresas que tenham compressores comprovadamente isentos de óleo, assim como pessoal capacitado para sua instalação. Temporário ou não, basta um segundo de ar comprimido contaminado para comprometer a imagem de uma indústria de alimentos.

 

 

Sobre Nós

Blog da Atlas Copco Rental Brasil

Todos os direitos reservados - 2018